Artigos da SemanaUrgência & Emergência

Associação entre Jejum Pré-Procedimentos e Eventos Adversos em Crianças no Pronto-Socorro

Analisamos novo artigo que estuda relação entre jejum pré-procedimentos e desfechos da sedação na emergência pediátrica.

Compartilhe conhecimento!
  • 32
    Shares
Trabalhando nos Prontos-Socorros (PS), frequentemente nos deparamos com pacientes que necessitam de exames ou procedimentos que requerem sedação. Raramente, porém, a última alimentação desses pacientes ocorreu num período considerado classicamente como “seguro” para os sedarmos, e mais raramente ainda podemos nos dar ao luxo de aguardar esse período para a sedação.

O artigo de hoje, publicado este mês no JAMA Pediatrics e disponível gratuitamente no site, estudou a associação entre jejum pré-procedimentos e desfechos em relação à sedação em crianças nos departamentos de emergência no Canadá.

O ESTUDO

  • Association of Preprocedural Fasting With Outcomes of Emergency Department Sedation in Children
  • Maala Bhatt, David W. Johnson, Monica Taljaard et al
  • JAMA Pediatr. Published online May 7, 2018. doi:10.1001/jamapediatrics.2018.0830
Cerca de 1 em cada 100 crianças que procuram o PS necessitam de sedação para procedimentos médicos comuns, tais como pontos e redução de fraturas. Embora ela seja considerada segura, aproximadamente 1% das crianças submetidas à sedação apresentarão algum efeito adverso sério, sendo o mais grave e temido a aspiração broncopulmonar de conteúdo gástrico.

Com o objetivo de diminuir a ocorrência de eventos adversos, em especial a aspiração broncopulmonar do conteúdo gástrico, diretrizes de jejum pré-procedimentos foram desenvolvidas com base em consensos da opinião de especialistas da Sociedade Americana de Anestesiologistas e da Academia Americana de Pediatria (AAP). Essas diretrizes preconizam um período mínimo de jejum de:

  • 2 horas para líquidos claros,
  • 4 horas para leite materno,
  • 6 horas para fórmulas infantis e refeições leves
  • 8 horas para alimentos sólidos contendo carnes ou gordurosos.

Isso é questionado por alguns especialistas, que ponderam que a recomendação de jejum pré-procedimentos é reservada para aqueles eletivos, não se aplicando diretamente à sedação em PS, e que o risco de aspiração pulmonar clinicamente importante é significativamente menor e resultante do risco basal do paciente, das medicações usadas para sedação e dos procedimentos realizados. Vários estudos pequenos têm surgido correlacionando tempo de jejum até o procedimento com eventos de dessaturação, vômitos e apneia. Isso fez com que a AAP voltasse atrás e concluísse que a relação tempo de jejum-aspiração seja incerta para pacientes pediátricos, e que estudos maiores, com “muitos milhares de pacientes”, são necessários.

 

O ESTUDO

O estudo, uma coorte prospectiva, foi conduzido em 6 Prontos-Socorros pediátricos canadenses entre Julho de 2010 e Fevereiro de 2015. Incluiu pacientes com idades entre 0 e 18 anos que necessitaram de sedação parenteral para procedimentos dolorosos. Foram excluídas crianças que receberam drogas apenas para ansiólise ou analgesia sem a necessidade de sedação, e também aquelas em que houve alguma dificuldade de comunicação (para obtenção do consentimento informado).

Quatro resultados foram considerados: aspiração broncopulmonar clinicamente aparente, ocorrência de qualquer evento adverso (ex.: queda de saturação com necessidade de reposicionamento da via aérea, oferta de O2 ou ventilação com pressão positiva), eventos adversos graves ou vômito.

Eventos graves foram definidos como a ocorrência de apneia, laringoespasmo, hipotensão, bradicardia, obstrução completa da via aérea, aspiração broncopulmonar clinicamente aparente, lesão neurológica permanente ou morte.

 

OS RESULTADOS

Após análise inicial e exclusões por questões metodológicas, 6.183 casos foram eleitos para inclusão no estudo. Desses, 6.166 (99,7%) foram classificados como ASA I ou II, 4.124 (66,7%) eram do sexo masculino, e a idade média foi de 8 anos (faixa interquartil: 4–12 anos). Cetamina em monoterapia foi o sedativo mais comumente utilizado (n=3.847; 62,2%), e redução ortopédica foi o procedimento mais comum (n=4.076; 65,9%).

Um total de 2.974 crianças (48,1%) e 310 crianças (5%) não apresentavam critério ASA de jejum para sólidos e líquidos, respectivamente. No geral, 717 eventos adversos ocorreram (11,6%; IC 95%: 10,8%–12,4%). Não houve nenhum caso de aspiração broncopulmonar. Queda na saturação de oxigênio (n=340; 5,5%; IC: 5,0–6,1%) e vômitos (n=315; 5,1%; IC: 4,6%–5,7%) foram os eventos mais comuns. No caso dos vômitos, 6 eventos (de 315) ocorreram durante a sedação, enquanto que os demais se passaram no período de recuperação. Em todos esses casos, os pacientes fecharam critérios de jejum para líquidos preconizados pela ASA, e metade deles para sólidos. Reações sérias foram observadas em 68 pacientes (1,1%; IC: 0,9%–1,3%).

 

ASSOCIAÇÃO ENTRE JEJUM E EVENTOS ADVERSOS

A Tabela 1 abaixo mostra a correlação entre tempo de jejum e eventos adversos. O tempo de jejum foi classificado como curto (≤2 horas), intermediário (2–4 horas e 4–6 horas) e longo (>6 horas).

Tabela 1 — Incidência observada de desfechos da sedação para jejuns curtos, intermediários e longos

A análise estatística dos resultados ajustados mostrou que:

  • a chance de eventos adversos não mudou significativamente com cada hora adicional do tempo de jejum, tanto para sólidos (risco relativo [RR]: 1,00; IC: 0,98–1,02; P=0,91) quanto para líquidos (RR: 1,00; IC: 0,98–1,02; P=0,97).
  • Similarmente, a chance de vômitos (sólidos— RR: 1,00; IC: 0,97–1,03; P=0,79; líquidos — RR: 1,00; IC: 0,96–1,03; P=0,81) e a chance de eventos adversos sérios (sólidos— RR: 1,01; IC: 0,95–1,07; P=0,64; líquidos — RR: 1,01; IC: 0,95–1,07; P=0,69) não aumentaram com o aumento do tempo de jejum.

 

DISCUSSÃO

A incidência geral de eventos adversos na população estudada foi de 11,6% (IC: 10,8%–12,4%). Eventos adversos graves ocorreram em 68 pacientes (1,1%; IC: 0,9%–1,3%), e vômitos em 315 pacientes (vide acima). Não houve ocorrência de aspiração broncopulmonar, nem houve relação entre o tempo de jejum pré-procedimento e qualquer tipo de evento adverso.

Assim, este, que até o momento é o maior estudo conhecido a averiguar essa relação, corroborou achados de estudos menores anteriores de que o tempo de jejum para sedação pré-procedimentos em PS não altera os riscos de eventos adversos em crianças. Retardar a sedação, assim, apenas aumenta o potencial de permanência e dificulta a fluxo de pacientes nos PS.

Obviamente, novos estudos com grandes populações pediátricas são necessários para consolidar esses achados, mas, cada vez mais, a literatura corrobora a ideia de que sedação pré-procedimento em Pediatria é segura, desde que bem indicada e que disponhamos de monitorização para esses pacientes.

Acesse aqui o artigo (em inglês)
Tags
Mostrar mais

Dr. Antonio Aurelio Euzebio Jr

Médico pediatra especializado em medicina intensiva pediátrica, com graduação e especialização pela Unicamp.

Deixe uma resposta