Finanças para Médicos

Introdução ao Investimento em Renda Variável

Compartilhe conhecimento!
  • 62
    Shares

Sempre quis investir em ações, mas não sabe por onde começar? Em nossa introdução à renda variável, aprenda os principais conceitos e termos para ampliar sua carteira de investimentos.

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA MÉDICOS
dos primeiros passos ao primeiro milhão

Francinaldo Lobato Gomes *

INTRODUÇÃO AO INVESTIMENTO
EM RENDA VARIÁVEL

 

INTRODUÇÃO   

O investimento em ações é imprescindível para o sucesso de qualquer investidor, porque proporciona rendimentos acima da renda fixa e também tem alta liquidez.

Uma carteira de investimentos segura e rentável deve conter produtos de renda fixa e produtos de renda variável em diferentes proporções. Um dos produtos de renda variável mais importantes e que não pode deixar de fazer parte da carteira de investimentos são as ações. No longo prazo, sabe-se que o investimento em ações, feito da maneira correta, supera os demais tipos de investimentos (ver figura).

Ações, produtos imobiliários, fundos multimercados e negócio próprio são considerados produtos de renda variável, porque não há como saber, com certeza absoluta, qual será o ganho ao longo do tempo. Neste tipo de investimento, reina a incerteza. E é exatamente por conta desta incerteza que o retorno é também mais elevado no longo prazo, embora ocorram variações ao longo do caminho.

Retorno de diferentes produtos de investimentos
Retorno de diferentes produtos de investimentos ao longo de 200 anos no mercado americano. Parte de um dólar investido em diferentes produtos. O retorno mostrado é o retorno real, já descontada a inflação do período. O investimento em ações é o que oferece o melhor retorno comparado aos demais produtos. Stocks = ações. Bonds e Bills = Títulos do tesouro americano. Gold = ouro. US dollar = dólar americano. Este estudo foi reproduzido posteriormente em vários países, com resultados semelhantes, mostrando que tal resultado não está restrito ao mercado americano.

Para que fique bem claro a vocês:
“Renda variável varia. E varia para cima e para baixo”.
Renda variável não é renda fixa!

 

Por conta de sua importância e também por suas características peculiares, os próximos três capítulos serão destinados ao investimento em ações. Este é o primeiro deles.

Neste capítulo, vocês aprenderão…

  • os conceitos básicos para ficarem familiarizados com o mercado de ações,
  • os principais jargões usados no mercado de ações,
  • o funcionamento da bolsa de valores,
  • como escolher a corretora e usar o homebroker
  • os aspectos tributários envolvidos no investimento em ações.

 

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE AS AÇÕES

Ações são títulos que representam a menor parte negociável de uma empresa de capital aberto, também chamada de sociedade anônima (SA). Ao adquirir ações, vocês se tornarão acionistas e, portanto, sócios da empresa.

Todo acionista almeja usufruir dos resultados da empresa da qual é sócio e, assim, receber parte do lucro na forma de dividendos, juros sobre o capital próprio ou bonificação em ações. Também, o acionista almeja lucrar com o crescimento da empresa e com a consequente valorização das ações no longo prazo. Para alcançar estes objetivos, é preciso ser sócio de empresas boas e lucrativas e manter-se sócio enquanto as empresas continuarem boas e lucrativas.

relacao capital aberto e capital fechado

A principal vantagem em ser acionista de uma empresa boa e lucrativa é que vocês ganharão dinheiro sem ter que trabalhar na empresa. O acionista é o sócio ausente da empresa. Isto permitirá que vocês continuem exercendo suas atividades enquanto o dinheiro trabalha para vocês.

 

A BM&F BOVESPA, AGORA B3 (BOLSA, BRASIL, BALCÃO)

A BM&F Bovespa é o local onde são negociadas ações e outros ativos das empresas de capital aberto devidamente selecionadas. É a bolsa de valores brasileira, a maior da América Latina e uma das maiores do mundo.

Desde 1997, após a implantação do sistema chamado Megabolsa, a negociação de ações e outros ativos passou a ser totalmente eletrônica, sendo abolidas as negociações presenciais (ver figura).

bolsa de valores e o mercado de acoes

A BM&F Bovespa está sediada na cidade de São Paulo. Atualmente, todas as negociações de compra e venda de ativos é feita eletronicamente pelo homebroker. Em março deste ano, com a fusão entre a BM&F Bovespa  e a CETIP, foi criada a B3, a quinta maior bolsa do mundo em valor de mercado. Assim, a partir de agora, usarei o nome B3 no lugar de BM&F Bovespa.

como ficou a nova b3
Visual da B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), resultado da fusão entre BM&F Bovespa e CETIP.

O índice Bovespa (Ibovespa ou IBov) foi criado em 1968 e é o principal e mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. Ele é ajustado em tempo real e baseado numa carteira teórica composta pelas ações que preenchem os critérios pré-estabelecidos, sendo a liquidez o principal critério. A carteira teórica é revista quadrimestralmente e, atualmente, é composta por 59 ações.

No momento em que foi criado, foi atribuído a ele o valor de 100 pontos. Acompanhá-lo significa ter um panorama geral de como as ações das principais empresas de capital aberto estão se comportando. Atualmente, o IBov está em 63.000 pontos, mostrando como o mercado acionário brasileiro se valorizou ao longo destes 50 anos (ver figura).

evolucao da bovespa desde 1994
Variação do IBov desde 1994 até fevereiro de 2017

As ações que compõem o índice correspondem a cerca de 80% do volume total de negócios e do volume financeiro do mercado da BM&F Bovespa. A cada quatro meses, a carteira é reavaliada e vigora para os seguintes períodos: janeiro a abril, maio a agosto e setembro a dezembro.

Atualmente são negociadas ações de cerca de 450 empresas distribuídas em 17 setores (ver figura). Apesar de parecer grande, o mercado de ações brasileiro ainda é incipiente comparado ao mercado americano, por exemplo. Para se ter uma ideia, cerca de 65% dos americanos investem em ações para aposentadoria enquanto apenas 0,29% dos brasileiros têm investimento em ações.

No mercado americano existem cerca de 5.000 empresas que negociam ações (mais de 10 vezes o número de empresas brasileiras). Portanto, o mercado acionário brasileiro apresenta um enorme potencial de crescimento.

setores da b3
Diferentes setores da B3.

 

SEGMENTOS DE LISTAGEM DA B3

As diferentes empresas de capital aberto que têm ações negociadas na B3 ocupam diferentes segmentos de listagem, com base em diferentes regras que se propõem a cumprir (ver figura). Esta segmentação visa a dar aos investidores o máximo de segurança e transparência. Dessa forma, funciona como uma ferramenta para impulsionar o mercado de capitais como financiador do crescimento econômico do país.

Segmentos de listagem das empresas na B3 (www.bovespa.com.br).

Basicamente, existem cinco segmentos de listagem ou níveis de governança corporativa, cada um deles tendo um objetivo diferente.

  • As empresas que participam do Segmento Tradicional limitam-se apenas a cumprir a regulamentação determinada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Apenas as ações ordinárias possuem tag along de 80%.
  • As empresas listadas no Nível 1, além de cumprirem a regulamentação determinada pela CVM, comprometem-se a ser mais transparentes na divulgação das informações junto aos investidores. Tal como no segmento tradicional, apenas as ações ordinárias têm tag along de 80%.
  • As empresas listadas no Nível 2, além de cumprirem a regulamentação determinada pela CVM, comprometem-se a ser mais transparentes, a conceder direitos aos acionistas e a assumir compromissos societários. As empresas que fazem parte deste segmento oferecem tag along de 100% para as ações ordinárias e preferenciais.
  • As empresas listadas no Novo Mercado, além de cumprirem a regulamentação determinada pela CVM, comprometem-se a serem mais transparentes, a concederem direitos aos acionistas e a lançarem apenas ações ordinárias no mercado. As empresas que participam deste segmento, considerado o nível mais elevado de governança corporativa, só podem ter ações ordinárias e com tag along de 100%.
  • As empresas listadas nos segmentos Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2) além de cumprirem a regulamentação determinada pela CVM, comprometem-se a serem mais transparentes, a concederem direitos aos acionistas e a negociarem apenas ações ordinárias no mercado, embora possa existir ações preferenciais. Este segmento destina-se a preparar empresas para entrarem no Novo Mercado.

segmentos de empresas na bolsa

Ao entrar em um determinado segmento de listagem, a empresa recebe um selo que a identifica (ver figura).

É muito importante conhecer os segmentos de listagem, porque isso será um dos critérios utilizados para vocês escolherem quais empresas são boas para ser sócio e quais não são (ver capítulo adiante).  

 

O FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES

O horário de funcionamento do mercado de ações é chamado pregão. O pregão ocorre de segunda a sexta feira (exceto feriados), das 9:45h até as 18:0h e apresenta os seguintes segmentos para o mercado à vista (ver figura):

funcionamento do mercado de acoes

  • Leilão de abertura ou call de abertura: das 9:45 às 10:00h. Neste intervalo, são formados os preços de abertura dos ativos com base nas ordens de compra e venda deixadas no dia anterior.
  • Horário de negociação, ou pregão normal: das 10:00h às 16:55h. Neste horário, ocorre a negociação dos ativos pelos participantes do mercado.
  • Leilão de fechamento ou call de fechamento: das 16:55h às 17:00h. Neste intervalo, são formados os preços de fechamento dos ativos com base nas ordens de compra e venda deixadas durante o pregão normal.
  • Aftermarket: das 17:30h às 18:00h. Durante o aftermarket, é permitido negociações de ativos no mercado à vista segundo regras específicas.

 

TIPOS DE AÇÕES NEGOCIADAS

Há, basicamente, três tipos de ações negociadas no mercado: 

  • Ações ordinárias (ON): dão ao acionista o direito a voto nas assembleias gerais. Costumam ser pouco negociadas, isto é, têm baixa liquidez, porque os detentores de ações ordinárias quase não têm interesse em se desfazerem delas para não perderem o direito a voto. Umas das grandes vantagens deste tipo de ação é o “Tag Along”. A lei das Sociedades Anônimas garante que todo acionista com ações ON tenha direito de participação no prêmio de controle em caso de venda da empresa. Segundo esta lei os acionistas tem direito a receber por suas ações, no mínimo 80%, do valor pago aos controladores, em caso de venda da empresa.
  • Ações preferenciais (PN): o acionista não tem direito a voto, mas tem preferência sobre os detentores das ações ordinárias no recebimento dos proventos da empresa. Costumam tem mais liquidez que as ações ON.
  • Units: as units, na verdade, não são uma única ação, mas sim um pacote formado de ações ON e PN em diferente proporção, funcionando como um certificado de depósito de ações. Costumam ser pouco negociadas. 

 

NOMENCLATURA DAS AÇÕES – TICKER

Para negociar ações, utiliza-se o chamado TICKER, ou nome abreviado da ação. O ticker é formado por 4 letras designativas da empresa e por um número que informa o tipo de ação.

O número 3 é usado para as ações ordinárias, os números 4, 5 e 6 são usados para as ações preferencias e o número 11 é usado para designar as units. Vejamos alguns exemplos.

  • VALE3 – Significa ações ordinárias da Empresa Vale.
  • BBAS3 – Significa ações ordinárias do Banco do Brasil.
  • LAME4 – Significa ações preferenciais das Lojas Americanas.
  • USIM5 – Significa ações preferenciais da Usiminas.
  • SANB11 – Significa ação units do Banco Santander.
  • SULA11 – Significa ação units da Sulamérica.

As ações ordinárias e preferenciais têm maior importância por serem as mais negociadas. A figura abaixo resume as características destas ações.

acoes ordinarias e preferenciais

 

TERMINOLOGIA DO MUNDO DAS AÇÕES

 

DESDOBRAMENTO E GRUPAMENTO: AUMENTANDO OU RETRAINDO A OFERTA DE AÇÕES

O termo desdobramento, também chamado Split, consiste num aumento do número de ações em circulação acompanhado de redução do preço na mesma proporção, de forma que o financeiro do acionista permanece o mesmo. Por exemplo, as ações ITUB4 (ações preferenciais do Itaú-Unibanco) estavam sendo negociadas a R$ 547,0 cada. Em janeiro de 2015, foi feito o desdobramento na proporção 10/1, com cada ação passando a custar R$ 54,70. Desta forma, o número de ações foi multiplicado por 10 e o preço foi dividido por 10. Quem possuía 100 ações a R$ 547,00 passou a possuir 1000 ações a 54,70. Reparem que, em ambos os casos, o financeiro permaneceu o mesmo, isto é R$ 5.470,00.

O termo grupamento, também chamado Inplit, consiste na redução do número de ações em circulação, acompanhado de aumento no preço na mesma proporção, de forma que o financeiro do acionista permanece o mesmo. Por exemplo, as ações INEP4 (ações preferenciais da Inepar Indústria e Construção) estavam sendo negociadas a R$ 1,00 cada. Em junho de 2002 foi feito o agrupamento na proporção 1/10, com cada ação passando a custar R$ 10. Desta forma, o número de ações foi dividido por 10 e o preço foi multiplicado por 10. Quem possuía 1.000 ações a R$ 1,00 passou a possuir 100 ações a 10,00. Reparem que, em ambos os casos, o financeiro permaneceu o mesmo, isto é R$ 1.000,00.

Tanto o desdobramento quanto o grupamento são medidas tomadas pelas empresas para aumentar a liquidez de suas ações e também para torná-las acessíveis aos pequenos investidores quando o preço fica muito elevado ou baixo, prejudicando a negociação.

 

BLUE CHIPS E SMALL CAPS 

Blue Chips são empresas consideradas de primeira linha. Usualmente, empresas grandes, altamente capitalizadas, com histórico conhecido, cujas ações estão entre as mais negociadas na BM&F Bovespa. Costumam ter pouco potencial de crescimento, porém seu comportamento é mais estável e previsível. A denominação blue chips deriva do valor das fichas usadas no poker, jogo no qual as fichas azuis são as mais valiosas. 

Small Caps são ações de empresas menores, mais jovens (<10 anos), que possuem capitalização muito menor, além de uma procura baixa e, normalmente, pouca liquidez. As small caps podem apresentar alto potencial de crescimento, porém seu comportamento costuma ser menos previsível.

 

BULL MARKET, BEAR MARKET E MERCADO EM CONGESTÃO

O termo Bull Market é usado para descrever um mercado em alta, no qual há predomínio de compradores – eles, no jargão do mercado, são chamados de touros, em uma alusão à forma como um touro ataca (de baixo para cima). Quando o preço das ações está em alta, dizemos que os touros estão dominando.

O termo Bear Market significa mercado em queda, no qual há predomínio de vendedores, os quais, no jargão do mercado, são chamados de ursos (esses animais atacam de cima para baixo!). Quando o preço das ações está em baixa, dizemos que os ursos estão dominando.

mercado de acoes - touros contra ursos

O termo Mercado em congestão representa uma situação em que o preço das ações fica variando dentro de uma estreita faixa, não havendo nem alta nem queda. Diz-se que está havendo equilíbrio entre compradores e vendedores, isto é, entre touros e ursos.

 

PROVENTOS

Uma vez sócio de uma empresa de capital aberto, vocês passarão a receber proventos distribuídos pela empresa em valor proporcional ao número de ações que vocês têm. Todos os proventos são descontados do preço da ação.

Existem 4 tipos de proventos: os dividendos, os Juros sobre o Capital Próprio, as bonificações e os direitos à subscrição. Veremos mais sobre cada um deles a seguir.

 

OS DIVIDENDOS

Os dividendos são pagamentos feitos aos acionistas por meio da distribuição de parte do lucro líquido da empresa, dividido pelo número de ações. Pela lei das S.A, no mínimo 25% do lucro líquido deve ser distribuído na forma de dividendos.

A data a partir da qual as ações passarão a ser negociadas com desconto dos dividendos é definida pela assembleia e chama-se data ex-dividendo. Quem possuir as ações até a data ex-dividendo, receberá os dividendos. Quem comprar as ações após a data ex dividendo não receberá os dividendos, tendo que aguardar pela próxima data. Da mesma forma, quem vendeu suas ações após a data ex dividendo irá receber os dividendos mesmo sem ter as ações no momento do pagamento. A data em que os dividendos serão distribuídos também é definida em assembleia e não costuma coincidir com a data ex dividendo, sendo posterior a esta.

Para saber mais sobre os proventos, veja este link.

Os dividendos são isentos do pagamento de IR (na verdade, a empresa já recolheu o IR antes de apurar o lucro líquido). Embora possa haver mudança nesta regra (http://www.valor.com.br/brasil/4968010/governo-estuda-dobrar-isencao-de-irpf-e-tributar-os-dividendos), ela ainda prevalece. Os dividendo são descontados do preço da ação. Por exemplo, se uma ação estiver cotada a R$ 25,00 cada e distribuir R$ 0,50 de dividendos, ela passará a ser negociada a R$ 24,50 a partir da data ex dividendo.

 

JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO

Os Juros sobre o Capital Próprio (JCP) são pagos com base no ganho obtido sobre os lucros retidos pela empresa nos anos anteriores que foram acrescidos ao capital próprio (representa uma ganho não relacionado à atividade operacional da empresa, e sim sobre o seu capital). Tem incidência de imposto de renda na alíquota de 15%, retida na fonte. A assembleia define as datas ex JCP e a data de pagamento, valendo as mesmas regras descritas para os dividendos.

Os valores referentes aos dividendos e JCP entram diretamente na conta na corretora na data de pagamento, ficando disponíveis para serem usados.

 

BONIFICAÇÕES 

Bonificações são bônus dados aos acionistas, seja na forma de ações, no caso de incorporação de reservas e de lucros por parte da empresa ou em dinheiro, como forma de participação adicional nos lucros.

 

DIREITO DE SUBSCRIÇÃO

O direito de subscrição confere ao acionista o direito de adquirir, em caso de eventual aumento do capital, preferencialmente, ações da empresa para preservar a proporção das ações que possui. Este direito pode ser exercido pelo investidor ou pode ser vendido no mercado.

 

 

TIPOS DE OPERAÇÕES COM AÇÕES

 

De acordo com o intervalo entre uma compra e uma venda de ações, as operações são chamadas de: 

  • Day trade. Quando a compra e a venda são feitas no mesmo dia. 
  • Swing trade. Quando a compra e a venda são feitas em dias diferentes, em geral entre 1 a 5 dias.

Quem faz day trade ou swing trade utiliza basicamente análise gráfica e negocia ativos de alta liquidez no mercado, buscando vender as ações por um preço maior do que o preço de compra e, assim, lucrar com a diferença entre o preço de compra e o preço de venda. 

  • Position trade. Quando a compra e a venda são feitas a intervalos de uma semana a até 4 meses. É necessário conhecimento tanto de análise gráfica quanto de análise fundamentalista para obter sucesso com este tipo de operação. 
  • Médio prazo. Embora não exista um prazo definido, vai de algumas semanas a até cerca de 2-5 anos. 
  • Buy & Hold. Comprar e segurar. Operação em que as ações permanecem na carteira por longo prazo. Usualmente feita com empresas boas e lucrativas. O investidor busca acumular o maior número possível de ações ao longo do tempo, passando a receber periodicamente parte do lucro da empresa na forma de proventos.

Tenham cuidado para não confundirem Buy & Hold com Buy & Forget (comprar e esquecer). Muitos investidores compram ações, esquecem delas e acabam sendo surpreendidos pelo mau desempenho ou mesmo pela falência da empresa. Comprar e guardar exige monitorização periódica da carteira de ações, porque uma empresa boa e lucrativa hoje pode não continuar sendo boa e lucrativa no futuro. Uma boa estratégia para evitar o Buy & Forget é fazer o ajuste anual da carteira, porque ele obrigará vocês a avaliarem as empresas e verem quais estão ou não boas para serem sócios.

Os investidores de médio prazo e os que fazem Buy & Hold costumam negociar ações com base na análise fundamentalista (ver próximo capítulo).

Na tabela abaixo, vocês podem comparar as duas formas de analisar o mercado de ações: a análise fundamentalista (foco no valor) e a análise técnica (foco no preço).

formas de analisar o mercado de acoes
As diferentes formas de analisar o mercado de ações e suas principais características. Neste livro trataremos apenas da análise fundamentalista. Para mais informações sobre análise técnica, ver livro Bolsa de Valores para Médicos.

 

AS CORRETORAS E O HOMEBROKER

A escolha da corretora é muito importante e vocês não devem olhar apenas para o valor da corretagem. Informem-se sobre os serviços prestados, tais como: orientações sobre o mercado, análises, qualidade do homebroker, cursos on-line, ferramentas de análise, serviço de atendimento ao cliente e orientação sobre imposto de renda.

É importante verificar se a corretora permite operações no mercado de derivativos (mercado de opções), além de negociação de outros produtos de investimentos tais como ativos de renda fixa (CDBs, LCI, LCA, títulos públicos e debêntures). Algumas corretoras restringem estas operações ao pequeno investidor ou mesmo cobram corretagem diferenciada; outras cobram um valor pela custódia destes ativos.

Vocês devem averiguar quais os canais de acesso à mesa de operações. Por exemplo, na impossibilidade de emitir ordens pela internet, a corretora deve possibilitar o envio de ordens via telefone e fax. Obtenham o máximo de informação sobre a corretora antes de abrirem a conta. Se puderem conversar com outros investidores que já usam os serviços da corretora, será de grande valia.

No site da B3 (www.bovespa.com.br) estão listadas todas a corretoras credenciadas. Escolham a corretora mais adequada às necessidades de vocês.

Após escolherem a corretora, vocês deverão fazer o cadastro. Para isto, deverão providenciar os documentos necessários. Com o cadastro feito e a conta criada, vocês receberão um login, uma senha e uma assinatura eletrônica. A conta na corretora ficará vinculada a conta bancária de vocês. O login e a senha permitem acesso ao homebroker. A assinatura eletrônica permite a negociação de ativos. O homebroker, ou corretora em casa, é a plataforma de negociação disponibilizada pela corretora e que permite negociar ações usando a internet (ver figura).

tela de um homebroker
Tela de um homebroker. Nela são mostradas algumas ações, opções e fundos imobiliários, além do IBov e do IFIX (índice de fundos imobiliários) com suas respectivas cotações no dia em questão. O homebroker pode ser personalizado, adicionando-se ou retirando-se ativos da tela inicial conforme o desejo do investidor.

É necessário fazer o depósito da quantia em dinheiro que se pretende investir. Podem ser feitos depósitos via DOC ou TED a qualquer momento. Se vocês precisarem resgatar algum valor, poderão fazê-lo desde que tenham saldo. O valor sairá da conta na corretora e será creditado na conta bancária.

Uma vez que o valor esteja disponível na conta na corretora, vocês poderão negociar ações e outros ativos. Uma das maiores vantagens ao investir por meio de corretoras é a total liberdade na escolha das ações e da hora exata para comprar e vender. Isto permite que vocês invistam de acordo com sua própria opinião. Lembrem-se que a melhor pessoa para cuidar do dinheiro de vocês são vocês mesmos! Só vocês sabem o que passaram e do que tiveram que abrir mão para ganhar o suado dinheiro.

Mas cuidado! Essa total liberdade pode fazer com que vocês comecem a agir de forma indiscriminada, uma vez que não há ninguém para fiscalizá-los. Não se trata de um jogo! É o dinheiro de vocês que pode ser perdido. Vocês são seus próprios fiscais.

Embora algumas corretoras informem sobre as melhores alternativas de compra e venda, a decisão é sempre de vocês. Tenham cuidado com as corretoras que incentivam compras e vendas com muita frequência, pois isto pode ser uma maneira de a corretora receber mais corretagens com as operações.

Escolham as ações com cuidado e evitem ficar negociando a todo momento. O importante não é operar sempre, mas sim, operar bem.

 

LIQUIDAÇÃO

A liquidação das operações no mercado à vista é feita pela Companhia

Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC). O valor da compra é debitado na conta do comprador na corretora e as ações são creditadas em custódia.

Ambos os processos (pagamento e entrega de títulos) ocorrem no terceiro dia útil após a negociação (D+3). Para a compra e venda de opções sobre ações, a liquidação ocorrerá no dia útil seguinte à operação (D+1).

Quem investe em ações costuma ter receio de perder seus ativos em caso de insolvência da corretora na qual tem conta. Embora seja raro, corretoras podem tornar-se insolventes. Entretanto, a corretora é apenas o intermediário entre o investidor e a BM&F Bovespa. Apesar de os ativos aparecerem na conta na corretora, eles estão, na verdade, custodiados na CBLC (ativos de renda variável) ou na CETIP (ativos de renda fixa), vinculados ao CPF ou CNPJ do cliente. Desta forma, em caso de insolvência da corretora, os ativos não serão perdidos. Eles devem ser transferidos para uma outra corretora por meio de um documento chamado transferência de custódia. Tal processo é o mesmo quando se deseja mudar de corretora. Não é necessário vender os ativos, basta fazer uma transferência de custódia para a corretora desejada.

Entretanto, se houver dinheiro na corretora, este sim poderá ser perdido em caso de insolvência. Portanto, evitem deixar dinheiro parado na conta na corretora. Tão logo tenham dinheiro, adquiram ativos o quanto antes.

 

O LIVRO DE OFERTAS E AS ORDENS DE COMPRA E VENDA

Com a conta aberta e o dinheiro disponível, é hora de navegar pela página da corretora e pelo homebroker. Tão logo vocês definam quais ações comprar (ver próximo capítulo), procurem pelo livro de ofertas para ver como estão se comportando as ofertas de compra e venda dos ativos que pretendem adquirir. O livro está organizado em colunas (ver figura).

livro de oferta de acoes da vale
Livro de oferta das ações preferenciais da Vale.

A coluna da esquerda contém as ofertas de venda, em ordem decrescente de valor (venda mais cara para a mais barata) e a coluna da direita, as ofertas de compra em ordem crescente de valor (compra mais barata para a mais cara). Alguns livros trazem, ainda, a quantidade de ações disponíveis para venda e a quantidade requerida para compra, o código da corretora interessada em vender ou comprar.

Procurem pelo link “ordens”, cliquem nele e aparecerá a página de operações. Dependendo do homebroker, ao lado do código do ativo, podem aparecer as letras C (compra) e V (venda), não sendo necessário clicar em ordens. Nesta página haverá os seguintes campos (ver figura): 

CÓDIGO: vocês devem informar o código da ação que desejam comprar. Este código é o ticker já visto anteriormente. Ex. PETR4, BBSA3, LAME4. 

QUANTIDADE: informem quantas ações desejam comprar. Vocês poderão escolher lotes de 100 ações ou comprar no mercado fracionário, de uma a 99 ações. Se digitarem apenas o ticker, o sistema entende que negociarão lotes de 100 ações. Para negociar no mercado fracionário, é preciso colocar a letra F após o ticker. Por exemplo, PETR4F, BBAS3F, LAME4F e assim por diante.

PREÇO: escolham o preço que desejam pagar (compra) ou receber (venda) pelas ações. 

VALIDADE: vocês escolhem por quanto tempo desejam que a ordem permaneça válida. A ordem pode valer apenas para um dia ou pode valer por um prazo maior.

livro de compra de acoes
Ordem de compra de 100 ações Vale5 (esquerda) e ordem de venda de 100 ações Itub4 (direita).

TIPOS DE ORDEM: escolham o tipo de ordem.

1) Ordem de mercado. Vocês escolhem a ação e a quantidade, mas não o preço. A ordem será executada imediatamente pelo preço de mercado. Esta ordem costuma ser executada imediatamente. Para quem usa a estratégia Buy & Hold esta é a ordem mais usada, pois quem negocia para ser sócio não está preocupado com o preço.

2) Ordem limitada. Vocês escolhem o ativo, a quantidade e o preço. Ela só será executada se o preço for igual ou melhor do que o preço escolhido. Também pode ser usada para quem faz Buy & Hold, desde que se tenha paciência para esperar a ordem ser executada.

Uma maneira de garantir que a ordem limitada seja executada é colocar o preço de venda um centavo abaixo da melhor oferta de venda (no caso em que se deseja vender) ou colocar o preço de compra um centavo acima da melhor oferta de compra (no caso em que se deseja comprar). Isto fará com que a ordem passe à frente das demais. Abre-se mãos de alguns centavos para ter a certeza de que a ordem será executada. 

3) Ordem On-Stop: este tipo de ordem é muito usada por traders (compra e venda com base na variação de preços) e é uma forma de proteção no caso de uma reviravolta nos preços. Vocês escolhem dois preços: um preço de disparo e outro preço de exercício. A ordem só será executada se o preço de exercício for atingido. Se o preço de disparo for atingido, a ordem passa a funcionar como uma ordem limitada. Pode ser usada tanto para a compra quanto para a venda de ações. É o tipo de ordem mais indicada para os investidores que não conseguem acompanhar o pregão durante todo o período, porque ela pode ser programada e enviada à corretora na noite anterior ao pregão.

 

OS CUSTOS

Investir em ações tem alguns custos, aos quais vocês precisam ficar atentos. 

 

Corretagem

A corretagem é valor pago às corretoras por cada ordem de compra ou venda executada.

Muitas corretoras cobram corretagem fixa, isto é, um valor fixo, independente do volume financeiro negociado. O valor fixo costuma variar entre R$ 5,00 e 10,00 por ordem executada. Outras corretoras, usualmente aquelas vinculadas a bancos, cobram corretagem variável, conforme tabela estabelecida pela BM&F Bovespa, sendo que o valor pago apresenta um parte fixa e um percentual aplicado sobre o volume financeiro negociado. É preferível trabalhar com corretoras que cobram taxas fixas, pois esta costuma ter menos impacto sobre os ganhos.

 

Emolumentos, Taxa de Liquidação e Taxa de custódia 

Representam custos cobrados pela BM&F Bovespa através de uma taxa fixa para cada tipo de operação. O percentual incide sobre o volume financeiro negociado. As operações normais, compra e venda de ações efetuadas em pregões distintos, têm incidência de 0,0325%, sendo 0,0275% de Liquidação e 0,005% de Emolumentos. Já as operações de day trade têm a incidência de 0,025%, sendo 0,02% de Liquidação e 0,005% de Emolumentos.

 

Taxa de custódia 

É uma taxa mensal cobrada por algumas corretoras com o objetivo de cobrir seus custos operacionais junto à CBLC. De maneira geral, a taxa é de R$ 6,90. A cobrança desta taxa pode variar de acordo com cada corretora. Algumas corretoras costumam isentar seus clientes desta cobrança. Geralmente a isenção está associada à quantidade de operações realizadas no mês.

 

Aspectos tributários

Tal como ocorre com qualquer atividade comercial em nosso país, as operações realizadas no mercado financeiro estão sujeitas à tributação com relação ao imposto de renda. No entanto, diferentemente do que ocorre com outras atividades comerciais, o mercado de renda variável possui regras próprias para a arrecadação do imposto.

Todo o cálculo do imposto a ser pago, a geração do DARF (Documento de Arrecadação da Receita Federal) e o seu pagamento são de responsabilidade do investidor. Para que não haja equívocos nem confusão na hora de declarar o imposto, é preciso manter a contabilidade de todas as suas operações.

Algumas corretoras oferecem assistência na hora de fazer o cálculo como forma de agradar o cliente, mas elas não são obrigadas a fazê-lo. Se necessário, vocês poderão contratar um contador para fazer esta contabilidade. No entanto, com o mínimo de organização e disciplina, vocês serão capazes de fazer toda a contabilidade. Basta que mantenham o registro completo de todas as operações. Apenas com este registro vocês saberão se terão que pagar imposto e, em caso positivo, o quanto terão que pagar.

A arrecadação do imposto deverá ser feita mensalmente. O período de arrecadação vai até o último dia útil do mês que sucede o mês declarado. Por exemplo, se vocês vão declarar os ganhos obtidos no mês de junho, terão até o último dia útil de julho para pagar o imposto sem a incidência de multa (código DARF 6015). Caso o prazo seja perdido, vocês poderão fazê-lo a qualquer momento, porém incidirá multa sobre o valor.

Ao comprar qualquer quantidade de ações, vocês não pagam imposto de renda. O imposto só será pago quando as ações forem vendidas com lucro e num valor maior do que R$ 20 mil mensais, exceto para as operações de day trade (compra e venda no mesmo dia). O imposto incidirá sobre o lucro líquido (após descontadas as despesas com corretagem e taxas operacionais).

Dentre os proventos pagos pelas empresas, os dividendos são isentos de tributação, porque a empresa já pagou o imposto antes de distribuí-los. O juro sobre o capital é tributado em 15%, retido na fonte.

A alíquota será de 15% para as operações de swing trade (compra e venda em dias diferentes), sendo que 0,005% do imposto é retido na fonte como antecipação; e de 20% sobre as operações de day trade, com 1% retido na fonte como antecipação.

Se vocês tiverem prejuízo em um dado mês, poderão abater o valor do prejuízo na declaração do mês subsequente. Por exemplo, se no mês de junho vocês tiveram prejuízo de R$ 1 mil e no mês de julho tiveram lucro líquido de R$1,5 mil; o imposto será pago sobre R$ 500,00 após descontadas todas as despesas. Mais uma vez, vocês deverão manter a contabilidade de todas as operações para saber se houve lucro ou prejuízo.

As operações de swing trade e day trade são vistas de forma independente pela Receita Federal. O recolhimento dos impostos, bem como o abatimento dos prejuízos, é feito de forma independente para cada tipo de operação. Vocês não poderão abater o prejuízo de uma operação day trade de um lucro obtido em uma operação swing trade e vice versa.

Sempre que vocês decidirem vender parte da carteira de ações com lucro, o imposto é calculado do lote que custou mais caro para o que custou mais barato.

 

DUAS CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES 

Com base no que foi exposto a respeito da tributação das operações de compra e venda de ações, duas considerações fazem-se necessárias.

Em primeiro lugar, vocês devem manter sempre um bom registro de todas as operações. Isto não só facilita na hora de calcular o imposto, como contribui para o amadurecimento e consolidação da disciplina que todo investidor deve ter. Os registros podem ser sempre visitados e revisados para que o aprendizado se solidifique.

Em segundo lugar, sempre que precisarem vender ações, procurem vender valores mensais inferiores a R$20 mil e fiquem isentos do pagamento de imposto de renda.

Para concluir, caros investidores, o investimento em ativos de renda variável é crucial para o bom desempenho da carteira de investimentos. As ações devem fazer parte da carteira de investimentos para que ela obtenha rendimento mensal diferenciado e, com isso, otimize os ganhos. Os conceitos aqui apresentados são importantes para que vocês, investidores, possam ficar mais à vontade com o cotidiano do mercado de ações e também para que fiquem mais tranquilos para aproveitar os benefícios deste tipo de investimento

Ótimos investimentos a todos.

Baixe o artigo em formato PDF!
Tags
Mostrar mais

Dr. Francinaldo Gomes

Neurocirurgião. Mestre em Neurociências. Autor dos livros "Bolsa Valores para Médicos" (Editora DOC, 2012) e "Finanças no Consultório: como Maximizar os Resultados" (Editora DOC, 2016). Escritor da coluna "Investimentos" da revista DOC e da revista SBN Hoje. Especialista em investimento em ações e mercado de opções (CMA Educacional). MBA em finanças com ênfase em gestão de investimentos (FGV). Membro da Comissão de Apoio, Qualificação e Gestão Empresarial da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta