AdolescênciaCardiologiaEndocrinologiaPediatria GeralPuericultura

Recomendações de Atividade Física para crianças e adolescentes

Compartilhe conhecimento:

Para combater os problemas relacionados ao sedentarismo e ao excesso de peso, quanto tempo de atividade física é recomendado? E quando é necessária a avaliação cardiológica?

 

A obesidade infantil vem aumentando em frequência e severidade no mundo todo. Nas crianças brasileiras, há também uma tendência de aumento nas taxas de sobrepeso e de obesidade. Dados do Sistema de Vigilância Nutricional (SISVAN) do ano de 2016 apontaram que 17,53% dos adolescentes brasileiros estavam com sobrepeso, 6,85% com obesidade e 1,48% com obesidade grave.

O aumento da prevalência de obesidade infantil resulta em uma maior ocorrência de comorbidades não somente na vida adulta, mas já presentes também na infância, incluindo:

  • hipertensão arterial sistêmica,
  • aterosclerose precoce,
  • diabetes mellitus tipo 2,
  • distúrbios do sono e
  • problemas hormonais.

Tal condição coloca essas crianças em alto risco para desenvolvimento de doenças crônicas precoces, o que aumenta as taxas de complicações a médio e longo prazo.

A obesidade, sabidamente, é uma doença multifatorial, representando uma interação entre características genéticas, metabólicas, hábitos de vida e fatores ambientais. Nesse sentido, a atividade física desempenha um papel fundamental na prevenção e como parte do tratamento da obesidade infantil. O incentivo à sua prática, bem como a orientação dos pais e crianças a seu respeito, devem fazer parte da rotina da consulta pediátrica ambulatorial.

exemplo de obesidade infantil - alimentacao

 

METAS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS E JOVENS

A Organização Mundial da Saúde estabeleceu em 2011 o nível de atividade física ideal por faixas etárias. O cumprimento desta meta, para crianças de 5 a 17 anos, está associado a melhora do desempenho cardiorrespiratório e muscular, à saúde óssea e dos marcadores cardiovasculares e metabólicos. Acompanhe algumas recomendações a seguir:

  • Crianças e jovens devem acumular ao menos 60 minutos diários de atividade física moderada a intensa;
  • Tempo superior a este pode trazer mais benefícios;
  • O tempo deve ser em sua maioria de atividades aeróbicas; no entanto, durante 3 vezes na semana, exercícios de força podem ser incorporados.

piramide das atividades fisicas para criancas

 

DEVO REALIZAR AVALIAÇÃO CARDIOLÓGICA?

A prática de atividade física em crianças deve ser estimulada, porém existe sempre a dúvida de quando é necessária uma avaliação cardiológica. Recente documento publicado pela Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda o seguinte com relação à avaliação:

  • O liberação para atividades físicas recreativas deve ser atestada pelo pediatra assistente, já que a anamnese é o padrão ouro para atestar aptidão para realização de atividades físicas estruturadas.
  • Crianças saudáveis a princípio não necessitam de avaliação com cardiologista pediátrico antes de iniciarem a prática de atividades físicas estruturadas. O encaminhamento ao cardiologista pediátrico deverá ser realizado na presença de sintomas cardiovasculares, histórico familiar positivo para morte súbita e doenças cardíacas hereditárias ou alteração no exame físico cardiovascular.

Este mesmo documento sugere a utilização das diretrizes da American Heart Association sobre quando encaminhar para avaliação com cardiologista pediátrico; transcrevemo-nas a seguir. Tal recomendação se aplica às atividades convencionais. Atletas de alto desempenho necessitam de avaliação e acompanhamento diferenciado.

HISTÓRIA PESSOAL1) Dor torácica ao esforço físico;

2) Síncope sem causa conhecida;

3) Dispneia ou fadiga excessiva ao esforço físico;

4) Achado pregresso de sopro cardíaco;

5) Elevação da pressão arterial;

6) Cardiopatia congênita prévia;

7) Distúrbios do ritmo cardíaco.

HISTÓRIA FAMILIAR1)  Morte prematura (súbita ou inexplicada) antes dos 50 anos de idade devido a doença cardíaca em parentes de primeiro grau;

2)  Incapacidade por doença cardíaca em parente de primeiro grau com menos de 50 anos de idade.

 

CONHECIMENTO DAS SEGUINTES CONDIÇÕES EM MEMBROS DA FAMÍLIA

 

Cardiomiopatia hipertrófica ou dilatada,

Síndrome do QT longo ou outra canalopatia,

Síndrome de Marfan ou arritmia cardíaca grave.

 

EXAME FÍSICO

 

1) Presença de sopro cardíaco;

2) Alteração na amplitude dos pulsos femurais (afastar coarctação da aorta);

3) Características fenotípicas de síndrome de Marfan

 

PEDIATRAS NA DIANTEIRA DO COMBATE AO SEDENTARISMO

É papel do pediatra estimular a atividade física em crianças e, mais ainda, orientar quanto ao uso de equipamentos eletrônicos nesta faixa etária, o que denomina-se “tempo de tela“. O ideal para menores de 2 anos é nenhum período de tela e dos 2 anos aos 17 anos um máximo de 2 horas por dia. Todas estas recomendações podem ser resumidas na Pirâmide de Atividade Física, que mostra de forma lúdica à criança como deve ser sua semana, estimulando que ela se movimente a maior parte do tempo.

Outro fato que deve ser lembrado é que hábitos adquiridos na infância podem se manter até a vida adulta. Estimular uma criança a praticar atividade física pode mudar seus hábitos por toda uma vida.

 

 

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Pediatria. Grupo de Trabalho em Atividade Física. Promoção de atividade física na infância e na adolescência. SBP; 2017. Disponível em http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/19890e-MO-Promo_AtivFisica_na_Inf_e_Adoles-2.pdf/ Acesso em 10 de dezembro de 2017.
  2. WHO | Global recommendations on physical activity for health. Disponível em www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/enhttp://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_young_people/en/ Acesso em 10 de dezembro de 2017.
  3. Centers for Disease Control and Prevention. 2008 Physical Activity Guidelines for Americans. Disponível em https://health.gov/ paguidelines/pdf/paguide.pdf Acesso em 08 de dezembro de 2017.
Etiquetas
Mostrar mais

Dra. Ana Cancelier

Pediatra, com formação em Medicina pela UFSC, Mestrado em Ciências da Saúde pela UNESC e Doutorado em Ciências da Saúde na UNISUL. Professora de Pediatria na UNISUL e Pediatra na Clínica Provida (Tubarão – SC).

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo