Alergia & ImunologiaArtigos da SemanaGenéticaPuericultura

Síndrome de Down: o que a Ciência nos Traz de Novo?

Compartilhe conhecimento:

De todas as alterações cromossômicas, a síndrome de Down é a mais prevalente. Muito sabemos sobre ela, mas quais são as descobertas mais recentes nesse campo? Quais as informações que elas nos trazem que podem levar a potenciais tratamentos para beneficiar nossos pacientes portadores dessa síndrome? Leiam a seguir.

 Coenzyme Q10 and pro-inflammatory markers in children with Down syndrome: clinical and biochemical aspects

Zaki ME, El-Bassyouni HT, Tosson AM, Youness E, Hussein J.
J. Pediatr (Rio J). 2017;93:100-4

Seguindo o post publicado nesta semana (Síndrome de Down: Características Que o Pediatra Deve Saber), escolhemos um artigo atual sobre o tema. Este estudo, publicado no Jornal de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria, aborda uma comparação entre os níveis de coenzima Q10, um potente agente antioxidante do nosso corpo, e de citocinas pró-inflamatórias em crianças com síndrome de Down (SD) e crianças sem síndromes genéticas. O PortalPed resume aqui os principais pontos desse artigo.

 

OBJETIVO

Foram relatadas evidências de estresse oxidativo em indivíduos com a síndrome de Down. Há um interesse cada vez maior na contribuição do sistema imunológico na síndrome de Down. O objetivo deste estudo é avaliar a coenzima Q10 e marcadores pró-inflamatórios selecionados, como interleucina 6 e o fator de necrose tumoral , em crianças com a síndrome.

Os autores explicam o motivo de terem escolhido estudar esses biomarcadores específicos. A coenzima Q10 (CoQ10) atua como eliminadora de espécies reativas de oxigênio (EROs) no nosso organismo. O estresse oxidativo é conhecido por ter um papel substancial na patologia, devido a fatores genéticos e epigenéticos. Isso sugere que o desequilíbrio oxidativo tem importante papel nos processos neurodegenerativos na SD.

Respostas imunes ineficazes na SD levam a infecções virais e bacterianas recorrentes, que contribuem para o desenvolvimento de vários sintomas fisiopatológicos, inclusive o déficit cognitivo. A disfunção do sistema imunológico na SD foi atribuída ao número reduzido de linfócitos B, a modificações do subgrupo de células T, bem como a alterações no nível de citocinas anti-inflamatórias e pró-inflamatórias, dentre as quais se destacam a interleucina 6 (IL-6) e o fator de necrose tumoral ⍺ (TNF-⍺).

 

MÉTODOS

Foram inscritas neste estudo de caso-controle 86 crianças (5–8 anos) de duas instituições públicas do Egito. Essa faixa de idade foi selecionada de acordo com a frequência de casos de crianças com SD que atenderam os critérios de inclusão. No momento da amostragem, os pacientes e os controles não sofriam de doença aguda ou crônica e não recebiam terapia ou suplementos. Foram medidos os níveis de IL-6, TNF-⍺, CoQ10, glicemia de jejum e quociente de inteligência (QI) em ambos os grupos.

RESULTADOS

Foram incluídas em oito meses (janeiro–agosto 2014) 43 crianças com síndrome de Down e 43 controles. Em comparação com o grupo de controle, os pacientes com síndrome de Down mostraram aumento significativo na IL-6 e no TNF-⍺ (p=0,002), ao passo que a CoQ10 apresentou significativa redução (p=0,002). Além disso, o índice de massa corporal (IMC) e a glicemia de jejum eram significativamente maiores nesses pacientes. Houve uma correlação significativamente positiva entre os níveis de CoQ10 e do QI, bem como entre a IL-6 e o TNF-⍺.

 

CONCLUSÃO

Os níveis de interleucina 6 e o fator de necrose tumoral em crianças mais novas com síndrome de Down podem ser usados como biomarcadores e são reflexos do processo neurodegenerativo. A coenzima Q10 pode ter um papel como bom suplemento em crianças com síndrome de Down para melhorar os sintomas neurológicos.

Os autores concluem o enunciado acima. No artigo, discutem que o mecanismo de redução da CoQ10 está possivelmente relacionado à manutenção da homeostase mitocondrial e à prevenção de produção de radicais livres. Contudo, revelam que estudos que compararam dados sobre danos oxidativos ao DNA e parâmetros de estresse oxidativo sistêmico em pacientes com SD tratados com CoQ10 concluíram que a CoQ10 não funciona simplesmente como eliminadora de EROs.

Quanto ao IL-6 e ao TNF-⍺, fazem uma ponte entre o IMC elevado e a sua associação com um padrão de ativação imune de baixo grau. Não expressam isto explicitamente, mas deixam a entender que o fato dos pacientes no grupo estudado apresentam IMC mais elevado que no grupo controle (o que possivelmente pode refletir o que ocorre em todos os pacientes com SD) pode ser a chave para o aumento desses fatores pró-inflamatórios, o que pode ocasionar maior incidência de danos neurológicos.

Não podemos negar que os resultados deste estudo são bastante promissores, mas devemos levar em consideração que a amostra estudada é bastante pequena (43 portadores de SD e 43 controles) e inclui uma faixa etária muito estreita (5–8 anos). Acreditamos que novos estudos, com amostras maiores – bem como bons estudos que comparem grupos de pacientes com SD que receberam a suplementação de CoQ10 com grupos de pacientes com SD que não receberam essa coenzima -, são necessários antes de orientarmos irrestritamente essa suplementação como forma de prevenção de processos neurodegenerativos nos portadores da síndrome.

Você já atende pacientes portadores de síndrome de Down? Conhece algo em especial sobre o assunto?
Compartilhe Conhecimento!

Acesse o artigo na íntegra
Etiquetas
Mostrar mais

Dr. Antonio Aurelio Euzebio Jr

Médico pediatra especializado em medicina intensiva pediátrica, com graduação e especialização pela Unicamp.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo