EndocrinologiaPuericultura

Princípios do tratamento de dislipidemias em crianças e adolescentes

Compartilhe conhecimento:

Como reconhecer os casos de dislipidemias e quais são as maneiras mais eficientes de reverter o quadro e melhorar a saúde dos jovens?

 

Complementando o post anterior de quando devemos pesquisar a dislipidemia em crianças, trazemos hoje um breve resumo sobre princípios de tratamento desse amplo grupo de patologias, que muitas vezes são negligenciadas na pediatria.

 

Tal qual o post anterior, baseamos esse resumo em 3 documentos:

  1. American Association of Clinical Endocrinologists and American College of Endocrinology Guidelines for management of dyslipdemia and prevention of cardiovascular disease, publicado no Endocrine Practice em abril de 2017;
  2. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose, publicada nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia, em outubro de 2013;
  3. Dyslipidemia in children: Definition, screening, and diagnosis. Revisão do UpToDate, de agosto de 2017.

O assunto é bem amplo e a gama de subdiagnósticos dentro do rol das dislipidemias é imenso e, por isso, na maioria dos casos, esses pacientes devem ser avaliados pelo endocrinologista pediátrico. Entretanto, é essencial que conheçamos os princípios do tratamento, os alvos terapêuticos e as classes de drogas que podemos utilizar na população pediátrica.

 

Dislipidemias em crianças — informações essenciais

A lógica para iniciarmos o tratamento das dislipidemias em crianças é que essas condições — em especial o LDL aumentado — estão correlacionadas com o aparecimento da doença aterosclerótica e, portanto, com o desenvolvimento precoce da doença cardiovascular. Diferentemente dos adultos, o HDL baixo na infância não é motivo de grande preocupação. Não parece haver qualquer relação dos níveis baixos do HDL na infância com o desenvolvimento da doença aterosclerótica. Além disso, mais de 50% das crianças com HDL baixo apresentarão HDL normal na vida adulta.

Indubitavelmente, a mudança de estilo de vida é o carro chefe do tratamento. A orientação nutricional, o aumento da atividade física e pequenas mudanças em certas rotinas e hábitos costumam trazer inúmeros benefícios, além de comprovadamente serem custo-efetivas.

 

TRATAMENTOS DAS DISLIPIDEMIAS

Atividade física

criancas brincando no parque - atividade fisica

A prática regular de atividade física deve ser recomendada, independentemente do perfil lipídico do paciente, conforme já comentamos em artigo anterior. Ela aumenta a força, a flexibilidade, melhora a sensibilidade periférica à insulina, melhora a performance cardiovascular, promove melhora em fatores de risco para desenvolvimento de dislipidemias, reduzindo a obesidade, melhorando os níveis pressóricos, além de promover aumento dos níveis de HDL.

A recomendação mínima, em adultos, é de ao menos 30 minutos ao dia de atividade física de moderada intensidade, ao menos 4–6 vezes por semana. Exercícios aeróbicos são preferidos, mas exercícios anaeróbicos também demonstram benefício.

 

Terapia nutricional

crianca comendo comida saudavel 2A dieta também tem impacto direto nos níveis de lípides séricos e, portanto, é determinante no risco cardiovascular.

A substituição de ácidos graxos mono e poli-insaturados por gorduras trans, hábito cada vez mais comum na vida contemporânea, em que o fast food impera, é um dos principais responsáveis pela elevação dos níveis de LDL. De maneira geral, devemos recomendar dieta rica em frutas e vegetais (>5 porções ao dia), grãos, cereais ricos em fibras, peixes, carnes vermelhas magras ou frango sem a pele.

A ingestão de fitoestanóis e fitoesteróis, além de consumo de óleo de peixe, têm efeitos comprovados na redução do colesterol LDL e triglicérides. A suplementação de fibras normalmente não está indicada em crianças. Deve-se tentar atingir a meta (6 gramas/dia entre 6–12 anos e >12 gramas/dia em maiores de 12 anos) apenas com a adequação dietética.

Deve-se limitar o total de calorias provenientes de gordura saturada a <7% do total da ingesta diária, além de <1% de gorduras trans. Nas crianças com hipertrigliceridemia, em especial, deve-se limitar a ingestão de carboidratos.

 

Terapia medicamentosa

crianca e medicamentosA terapia medicamentosa normalmente está reservada aos casos mais severos e não respondedores (pelo menos 6 meses de eficaz mudança de estilo de vida e alimentação). Além disso, no geral, ela só é iniciada nos maiores de 10 anos de idade. Não há estudos randomizados controlados em crianças e a maioria das recomendações surgem de evidências indiretas. Sendo assim, o apoio do especialista na decisão em utilizar o tratamento medicamentoso, assim como ao escolher a droga a ser utilizada é essencial.

Em crianças abaixo dos 10 anos, a indicação de tratamento medicamentoso é reservadíssima, devendo ser usada em casos severos de hiperlipidemia familiar, com LDL acima de 400 mg/dl ou triglicérides acima de 500 mg/dl.

O atual consenso entre especialistas na área é restringir o uso da terapia medicamentosa aos seguintes grupos:

  • LDL acima de 190 mg/dl
  • LDL acima de 160 mg/dl e:
    • história familiar de doença aterosclerótica precoce (abaixo dos 55 anos);
    • obesidade ou elementos da síndrome de resistência à insulina;
    • com a presença de 2 ou mais fatores de risco cardiovasculares (veja no quadro a seguir).

OS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES

  • obesidade;
  • hipertensão;
  • diabetes;
  • doença renal crônica;
  • transplante renal;
  • síndrome nefrótica;
  • doença inflamatória crônica, entre outros.

 

De maneira geral, entre os adultos, a primeira classe de medicações a ser utilizada é a das estatinas. Elas são as medicações que mais eficazmente produzem uma redução dos níveis de colesterol total e LDL, com diminuição comprovada do risco de eventos cardiovasculares. Promovem redução de 20 a 40% nos níveis de LDL, sem ocasionar outros efeitos metabólicos significativos nem prejuízo no crescimento. Os efeitos colaterais das estatinas incluem miopatia, que se manifesta como dor muscular e elevação das enzimas musculares, e elevação das enzimas hepáticas. A incidência de efeitos colaterais é baixa, mas deve ser monitorada. Elas ocorrem principalmente quando o paciente faz uso de outra droga cujo metabolismo utiliza a via do citocromo p450. É recomendado também evitar a gravidez durante o uso de estatinas. Portanto, meninas em idade fértil devem ser adequadamente orientadas.

portalped - divisor cadeado

Está gostando desse texto?

Cadastre-se gratuitamente no PortalPed para ler o restante da matéria!

 

 

Etiquetas
Mostrar mais

Dr. Sidney Volk

Médico pediatra especializado em medicina intensiva pediátrica, com graduação e especialização pela Unicamp. Membro do corpo editorial do PortalPed.

Artigos Relacionados

6 comentários

  1. Bom dia! Gostaria de saber sobre a suplementação de omega 3 em crianças saudáveis como preventivo, melhora da memória e sono e também como adjuvante no tratamento da dislipidemia já que existem vários produtos atualmente como suplemento alimentar para crianças
    Grata

    1. Olá Denise. Obrigado pela sua pergunta. Segundo o consenso citado no início do artigo, a suplementação de ômega 3 não é inócua. Os suplementos, em sua maioria não são aprovados pelo FDA norte americano. Ele tem sido utilizado como coadjuvante no tratamento de hipertrigliceridemia severa (> 500mg/dl). Não deve ser usado em pacientes com fibrilação atrial, e deve ser usado com cautela em hepatopatas. Pode alterar a coagulação. Deve-se monitorar coagulograma e enzimas hepáticas. Não deve ser usado em gestantes e puérperas amamentando. Por outro lado, parece sim existir um benefício antiinflamatório do ômega 3, com redução da remodelação cardíaca, e dos níveis sistêmicos de marcadores inflamatórios. A American Heart Association recomenda a ingestão de 2 porções semanais de peixe (rico em ômega 3), porém não recomenda a suplementação regular profilática. Existe um trial com mais de 60 mil adultos que demonstrou claramente que o uso do ômega 3 não reduziu o número de eventos cardiovasculares. De qualquer forma, em nenhum dos documentos utilizados na elaboração dessa revisão há a recomendação de uso profilático de ômega 3, nem em adultos, nem em crianças. Ele entra apenas como coadjuvante no tratamento de pacientes com hipertrigliceridemia severa, não responsivo às medidas iniciais. Espero ter esclarecido. Um abraço.

    1. Olá Álvaro! Obrigado novamente pelo comentário!. Esteróis e estanóis são nomenclaturas químicas. O prefixo fito indica a fonte dessas substâncias no mundo vegetal. Os estanóis são esteróis que sofreram redução. Um, portanto, é derivado do outro. Eles estão presentes em óleos vegetais como óleo de soja e óleo de milho, sementes de girassol, milho, trigo, soja, abacate e diversos outros legumes e verduras. São encontrados também em alimentos modificados industrialmente, como cremes vegetais e compostos lácteos. Espero ter ajudado!. Continue nos acompanhando e Compartilhando Conhecimento!

  2. Boa tarde
    Minha filha tem 4 anos e está com dislipidemia, genética, colesterol 198, triglicerídeos 256 e aspecto do soro ligeiramente opalescente.
    Os médicos que eu levei disseram que não se faz uso de medicação nesta idade, gostaria de saber se o Ômega 3 pode ser usado e ter resultado junto a dieta alimentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo